{ "data": [ { "event_name": "Purchase", "event_time": 1656095153, "action_source": "email", "user_data": { "em": [ "7b17fb0bd173f625b58636fb796407c22b3d16fc78302d79f0fd30c2fc2fc068" ], "ph": [ null ] }, "custom_data": { "currency": "BRL", "value": 1.99 } } ] "test_event_code:" "TEST15652" }
 

Tratamento de olheiras

Normalmente exigem tratamentos combinados, pois são formadas por um conjunto de fatores: profundidade, pigmentação, componente vascular, flacidez…

 

Os preenchimentos são indicados para suavizar o “afundamento”, muito frequente nesta região. 

 

A toxina botulínica alivia as ruguinhas laterais (famosos “pés de galinha”), assim como a hipertrofia tarsal (um “gordinho” que se forma ao sorrirmos, logo abaixo da implantação dos cílios na pálpebra inferior).

 

Os lasers mais indicados aqui são aqueles que combinam comprimentos de onda direcionados para o pigmento e para a parte vascular. O que existe de novo é a abordagem de múltiplas camadas. Primeiro, aplicamos um laser de Nd Yag QSwitched, cujos alvos são os pigmentos de cor escura, e, depois, finalizamos com um laser que melhora a tex­tura da pele e do colágeno, o laser fracionado de Erbium.

 

Também podemos lançar mão dos skinboosters para aumentar a hidratação e turgor da pele local. 

olheiras.png